Guardas municipais e PMs realizarão patrulhas em bairros de Fortaleza para evitar aglomerações

O prefeito Roberto Cláudio anunciou, nesta terça-feira (14/04), em transmissão ao vivo nas redes sociais, duas novas ações prioritárias que passarão a ser realizadas pelo Município no combate à pandemia do novo coronavírus, com os objetivos de reduzir o número de aglomerações dentro dos bairros de Fortaleza e conscientizar a população sobre a procura de atendimento médico.

A partir de denúncias recebidas e do monitoramento realizado pela fiscalização na Capital, o Prefeito demonstrou preocupação com a formação de pontos de aglomeração em áreas da Cidade que podem ser novos epicentros severos de contaminação pela Covid-19, como o eixo Mucuripe, Vicente Pinzón e Serviluz, e a região da Barra do Ceará, Vila Velha e Cristo Redentor.

A movimentação de pessoas, conforme Roberto Cláudio, vai na contramão das medidas de isolamento estabelecidas em decreto estadual. Por isso, a partir desta quarta-feira (15/04), patrulhas da Guarda Municipal e da Polícia Militar, e equipes da Agefis passarão a rondar os bairros das áreas citadas, orientando as pessoas que estejam em calçadas ou ocupando espaços públicos a retornarem às suas residências.

O Prefeito também se reuniu com representantes da Câmara de Vereadores de Fortaleza (CMFor) e pediu o envolvimento direto da instituição, de forma a utilizar lideranças comunitárias e redes de contatos locais para reforçar, nos bairros, a mensagem do isolamento social dentro das próprias comunidades.

Campanhas publicitárias da Prefeitura também foram lançadas para reforçar a questão do isolamento social.

Busca por serviços médicos

O prefeito Roberto Cláudio apontou como preocupante o dado da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) que mostra que 15% dos 85 óbitos causados pela Covid-19 em Fortaleza se dão pela busca demorada pelos serviços médicos, sendo que os atendimentos só são procurados em caso de parada cardiorrespiratória.

Para o Gestor, é preciso estimular que essa consulta seja feita de forma precoce em alguns casos específicos, pois a demora pode ser um fator determinante para que se tenha um prognóstico correto e um desfecho clínico positivo.

“Para quem tem acima de 60 anos, não se pode esperar ter falta de ar. Pessoas idosas devem para procurar o médico com qualquer sintoma gripal. A demora pode representar risco aumentado de agravamento ou até de óbito”, enfatizou. Para pessoas abaixo de 60 anos, o indicado é procurar o serviço de saúde nos primeiros sinais de falta de ar.

Além disso, após reunião com as regionais de saúde, ficou estabelecido que a partir desta quarta-feira (15/04), agentes comunitários de saúde e de endemias, munidos de Equipamentos de Proteção Individuais (EPIs), começarão a fazer busca ativa nos bairros com o intuito de identificar pacientes de maior risco, orientando a conduta sobre a busca pelo serviço médico com comunicação específica e direta com a comunidade.

“Por conhecerem a comunidade, o histórico clínico e médico dos pacientes, temos convicção que essa ação poderá mudar a consciência dos familiares e das pessoas com sintomas no que diz respeito à procura precoce ao serviço médico”, reforçou Roberto Cláudio.

Campanhas de publicidade também estarão orientando nessa questão da busca precoce, de acordo com o Gestor. Outro ponto anunciado é que até a próxima semana, um novo aplicativo deverá ser lançado para que os profissionais da Atenção Primária à Saúde possam se comunicar diretamente com os pacientes. “É fundamental a gente se isolar e ficar dentro de casa. Isso pode definir um destino diferente para você e para o seu familiar”, completou.

 

*Fonte: Prefeitura de Fortaleza

*Imagem de capa: ilustrativa