Economista e presidente do Corecon-CE, Ricardo Coimbra avalia o cenário para 2021

Nesta segunda-feira, dia 04, o professor e presidente do Conselho Regional de Economia do Ceará (Corecon-CE), Ricardo Coimbra participou de entrevista no Informativo Dom Bosco. O economista avaliou a desvalorização do Real, nos últimos anos e destacou a diminuição do poder de compra do brasileiro.

“O ano de 2020 gerou um impacto significativo no orçamento das pessoas, porque s produtos alimentares foram os que mais sofreram variação de preços. Produtos como arroz, soja, milho e trigo sofreram por duas situações: primeiro, pela redução da oferta de produtos no mercado interno visto o forte crescimento da taxa de câmbio e os produtores brasileiros começaram a vender no mercado externo esses produtos, e faltou no mercado interno. E, alguns outros produtos, como no caso o trigo, a forte elevação por conta das instabilidades do momento elevaram o preço, isso fez com que pães, biscoitos, bolachas e todos os derivados do trigo ficarem em um patamar mais elevado. Isso resulta no preço dos produtos no dia a dia, ou seja, a inflação dos alimentos foi muito acima da inflação geral”, explicou o economista.

Ricardo Coimbra ainda falou sobre o impasse sobre a continuidade ou não do auxílio emergencial e o impacto econômico no primeiro trimestre de 2021. De acordo com o economista, a estabilidade da economia brasileira está ligada ao início da vacinação no país.

Escute a entrevista na íntegra: